Ícone de alerta

O seu navegador não é mais suportado.
É provável que a exibição do site seja comprometida.
Atualize para outro navegador moderno.

Clique para baixar o Google Chrome Clique para baixar o Firefox Clique para baixar o Safari Clique para baixar o Internet Explorer 9 Clique para baixar o Opera

Notícias

Justiça nega pedido de liberdade provisória de sócio da boate Kiss

A Justiça negou o pedido de revogação da prisão temporária de Elissandro Spohr, um dos sócios da boate Kiss, em Santa Maria, onde um incêndio durante uma festa universária deixou 235 mortos. Kiko, como é chamado, está internado sob custódia em um hospital de Cruz Alta. Durante a manhã, o Ministério Público já havia se manifestado contra a soltura. Em seu parecer, o promotor André Fernando Rigo frisou que a investigação policial ainda está começando e não vê motivo para a liberação. A prisão temporária dele, do sócio Mauro Hoffman e de dois integrantes da banda Gurizada Fandangueira termina na sexta-feira (1). O incêndio na boate Kiss, em Santa Maria, região central do Rio Grande do Sul, deixou 235 mortos na madrugada do último domingo (27). O fogo teve início durante a apresentação da banda Gurizada Fandangueira, que fez uso de artefatos pirotécnicos no palco. De acordo com relatos de sobreviventes e testemunhas, e das informações divulgadas até o momento por investigadores, é possível afirmar que: - O vocalista segurou um artefato pirotécnico aceso. - Era comum a utilização de fogos pelo grupo. - A banda comprou um sinalizador proibido. - O extintor de incêndio não funcionou. - Havia mais público do que a capacidade. - A boate tinha apenas um acesso para a rua. - O alvará fornecido pelos Bombeiros estava vencido. - Mais de 180 corpos foram retirados dos banheiros. - 90% das vítimas fatais tiveram asfixia mecânica. - Equipamentos de gravação estavam no conserto.